Giro a chave e o motor do Sucatão grita como uma fera que desperta faminta. Nem a chuva nem a noite alta nos intimidam, os pneus ganham o negrume do asfalto, não há destino, só vontade. Insiro um pen drive aleatório no aparelho de som e a música que transborda incendeia o meu entusiasmo.

HOT STUFF

O limpador de para-brisa abria o meu campo de visão, noite cinza cortada pelas luzes pálidas da cidade. Acelerei, deixei o vento acariciar a minha face, permiti que as gotículas que vinham do céu beijassem o meu braço. Sexo, essa fome interminável. Talvez, não seja interminável. Com a idade, arrefece, mas o desejo não morre. Somos vampiros de orgasmos.

Certa vez, vi dois sujeitos pararem um fusca no meio de um temporal de verão, desembarcaram do carro e começaram a dançar ao som de Hot Stuff, na voz de Donna Summer. Foi a imagem mais intensa de manifestação de liberdade que testemunhei. A música ficou na minha cabeça, gravei e fico a espera de um dia de chuva em que eu também tenha coragem de celebrar a minha libertação.

Rumei para um local que, no período de 2010, cheguei a frequentar quase todas as noites. Vivi romances, fiquei conhecido, criei uma página na Internet (Vila Mimosa Vip) e fiz história naquela época. O affair mais febril que vivi sobre aqueles paralelepípedos foi com uma atriz pornô chamada Natasha Lima (vide X-Videos), com direito a jantares, peças teatrais, passeios à beira-mar e trepadas monumentais. Terminou, pois como já preconizava Renato Russo: o pra sempre, sempre acaba.

Estacionei na penumbrosa Rua Ceará e pisei firme com as minhas botas naquele chão que guarda com um silêncio leal e inviolável a história secreta de tantos libertinos. A Vila Mimosa é uma sobra do que foi, vazia, triste, nostálgica dos tempos que não pretendem retornar. É um monumento do passado que insiste em resistir, decadente, abandonado e quase esquecido. Acredite, forista sem fé, eu não esperava encontrar nada que pudesse valer a pena, saí de casa sem pretensões, apenas para respirar e fugir da minha claustrofobia noturna.

Vaguei pelos corredores da Zona, o meretrício cru, lugar onde a mulher é real. Negras, ruivas, loiras, mulatas, morenas… Um desfile de olhares promíscuos, de convites libidinosos. Dizem que quando não se espera nada é que a mágica acontece, uma loiraça com dimensões de potranca emerge de uma casa num minúsculo biquine vermelho contendo a sua imoral nudez provocante. Sim, afeiçoado forista, eu salivei, talvez até um pequeno filete de saliva tenha escorrido pelo canto da minha boca. Percebendo que aquele colosso feminino não ficaria solta por muito tempo, me aproximei.

— Preciso saber seu nome — perguntei.

— Scarlett — ela me responde com um sorriso simpático.

— Como faço pra ficar com você…

— Só me deixar noventa reais de presentinho. Vale?

— Ôoo! Vale até mais.

— Eu aceito mais também — Scarlett ri.

— Você aceita ir para um hotel aqui por perto comigo?

— Por 200 pode ser.

Fiz a entrevista básica para saber sobre o possível desempenho sexual da moça e parti com ela para o Hotel Saionara, na Rua do Matoso, nos arredores da Praça da Bandeira.

Dentro do quarto, Scarlett entra no banho e retorna nua. Quase desfaleço numa crise de apneia. Que corpo absurdo. Rata de academia, treinos diários, a menina é toda definida, coberta por uma leve penugem dourada, cabelos lisos e compridos, boca carnuda, bunda que poderia me servir de jazigo numa morte feliz durante a ejaculação e uma sensualidade natural. Observando-a com mais calma, compreendi o nome escolhido, ela possui traços semelhantes aos da atris Scarlett Johansson.

— Minha filha, você linda assim… o que está fazendo na Zona? — solto aquela pergunta idiota que não pode faltar.

— Ali eu ganho dinheiro — respondeu com firmeza.

Beijos impudicos, roçadas perigosas, boquete profundo e consegui executar um sexo anal por cinquenta contos a mais no cachê. A garota vale, um achado raro na atual VM. Trabalha na casa 21 do corredor em U. Uma hora e uns quebrados depois, devolvo a menina para dentro da Vila e desemboco com o Sucatão no entorno da Quinta da Boa Vista, subo o viaduto que leva ao Maracanã e alcanço a Praça Xavier de Brito. Eu poderia entrar na garagem de casa e encerrar a noite, mas estacionei na margem da praça, inseri o pen drive no som e aumentei o volume.

Embalei os corpos de uns casais fumando erva e de meia dúzia de pinguços. Saltei do carro e puxei um cigarro que fumo em ocasiões bissextas. Sem filhos, sem esposa, não preciso de nada além de um corpo quente que alimente a minha fome de vez em quando. Liberto, livre, libertino. Libertine-se… 

Dancinha

DONNA SUMMER