Assisti ao documentário “Um outro olhar” (The Way I See It), que aborda o trabalho de Pete Souza, ex-fotógrafo oficial da Casa Branca, com ênfase, principalmente, no período Obama.

Não faço parte do fã clube de Barack Obama, mas é impressionante testemunhar, através das imagens de Pete Souza, um aspecto do mundo ocidental que foi abalado profundamente pela ascensão da horda de idiotas apelidada de extrema direita. Sem nenhuma inibição diante da própria incompetência, essa direita despudorada prega o desprezo pela vida, a idolatria à ignorância, à legitimidade das mentiras, o extermínio do pensamento através de patéticas teorias de conspiração.

Ignorando as falhas e o tom intervencionista do governo Obama, é impossível não perceber a relevância da empatia com seu povo, a sensibilidade com as catástrofes do país, o compromisso com o espírito de nação, a valorização da ciência e do conhecimento. Pete Souza registra em fotos os últimos suspiros do resquício humanitário.

Trump é eleito pelo discurso que desconstrói os valores que sustentavam a civilidade, é apoiado pela frustração homicida e suicida daqueles que o seguem, é eleito pelo império fake das Redes Sociais. Bolsonaro reflete o seu ídolo de forma tosca e ainda mais caricata, pois carrega a marca social de Lula como contraponto.

Trump e Bolsonaro foram alertas para um fenômeno que não foi explicado com eficiência. As fotos de Pete Souza são, com certeza, um registro histórico, são retratos humanistas que parecem muito antigos nestes novos tempos em que a desumanização não se envergonha dos estragos que causa, da fome que retorna, nem se comove com qualquer tragédia.

Pete Souza é um fotógrafo que se politizou pelo contraste entre dois períodos da história americana e é desse testemunho que nasce o documentário que vale assistir