— Dante, mas você escreve coisas que não tem nada a ver. Você se expõe — me diz um forista puritano por mensagem privada.

Respondo a você, afeiçoado forista, falar o que se quer é uma das liberdades que a idade traz, desde que eu fale sobre mim, não sobre terceiros. Nesta altura do meu campeonato, o personagem Dante já se confunde com o autor e o autor com o Dante, a fronteira é tênue e não me limito por pudores juvenis. Se até o suposto Jeová disse “eu sou o que sou”, por que eu, supostamente sua imagem e semelhança, não posso dizer o mesmo? Eu sou o que sou e para a opinião alheia aprendi a responder com uma palavra milagrosa: foda-se.

Outra característica da idade e das perdas que vamos sofrendo com os anos é que parece que nos apegamos mais à memória. Ultimamente, venho me recordando de muitas situações, muitos lugares, e principalmente do que vivi na década de 80 e no início da década de 90, o apogeu da minha juventude. Passei muitos anos estudando, estudo até hoje, mas quando jovem a minha fome por livros e pelo estudo tragava os poucos caraminguás que eu levava no bolso. Não à toa, construí uma biblioteca milenar. Como meus pais nunca foram de me bancar, passei a pão e água numa época em que poderia ter sido playboy, mas de todos os reveses podemos tirar pontos positivos. A dureza financeira me fez criativo.

O Rio de Janeiro de hoje não é o Rio de Janeiro de ontem, constatação óbvia. O Rio de Janeiro de hoje é uma merda, há poucas opções de lazer noturno, boates faliram, bares interessantes quase não existem e o Tinder não presta para pegar mulher. O Rio de Janeiro que eu ainda consegui viver oferecia mais diversidade e como peguei o início dos sites de relacionamento, no fim da década de 90, segui por uma trilha em que comi tantas e tantas mulheres civis que perdi a conta.

Como citei acima, como minha conta bancária era magra, eu precisava improvisar. Certa vez, um colega me falou sobre forrós (isso no início dos anos 80) e um dia decidi me arriscar em uma visita. O primeiro forró que entrei ficava no Catete, o nome era Alegria do Catete, localizava-se do lado de um hotel na Rua do Catete. Acredite, forista sem fé, a primeira vez em que entrei nesse forró me senti uma espécie de Brad Pitt. Não precisei azarar nenhuma mulher, eu era azarado por todos os lados. Ali naquele salão, entre triângulos e sanfonas, todos os meus preconceitos sociais desapareceram, comunguei com porteiros, empregadas domésticas, balconistas, auxiliar de serviços gerais. Foi um novo mundo que se descortinou e um universo de vaginas afetuosas se debruçaram sob o meu jovem pênis. Eu não tinha carro e ainda sinto o cansaço de esperar o ônibus da linha 410 passar pela Praia do Flamengo para me levar à bucólica Tijuca.

A primeira vez que comi uma mulher foi na Casa Rosa da Rua Alice, em Laranjeiras, mas a primeira vez que fiz sexo foi com uma empregada doméstica que conheci no forró. Franciele era o nome da menina, dona de um par de seios que até hoje povoam o meu imaginário. Fiz carreira nos forrós do Rio, ao contrário dos nordestinos e nortistas que frequentavam esses locais, eu me vestia igual ao Zé Bonitinho, almofadinha total, assim eu marcava a minha diferença. Da Alegria do Catete, descobri o Forró da Associação (que ficava ao lado do finado Canecão, em Botafogo); depois passei para o Forró da Praia, também em Botafogo, na Rua da Passagem; segui para o Forró do Mourisco, ali ao lado de onde hoje é a churrascaria Fogo de Chão; me apresentaram ao Forró de Copacabana, onde até pouco tempo funcionava a Mariuzinn); em Copacabana, descobri a Help, em uma época que putas ainda davam no 0800. Foram muitas, muitas, muitas mulheres, amigo forista. E posso dizer, sem falsa modéstia, que nunca paguei, pois não tinha grana para isso. Era sexo por amor.

Tudo bem, concordo que envelheci, ganhei uma barriga imoral, mas a verdade é que um neófito comum que começa sua carreira sexual no século 21, no Rio de Janeiro, irá encontrar pouquíssimas opções além dos puteiros (que também se reduziram) e forrós nem existem mais, acho que somente na Baixada. Uma pena.

Quando a década de 90 caminhava para o crepúsculo, conheci os sites de relacionamento: Par Perfeito, Como Vai etc. No início desses sites, as mulheres não exigiam fotos e eu me valia da boa escrita, com mensagens que me faziam um príncipe encantado. Depois, o contato continuava pelo telefone, onde eu simulava voz de locutor da JB FM. Tiro e queda, quando a mulher me encontrava já estava tão na pilha que a porta do motel se abria fácil. Comi muitas mulheres por esses sites de relacionamento. Dinheiro curto, criatividade imensa. Na verdade, a minha decadência como Dom Juan começou justamente quando comecei a ter mais dinheiro. A grana é inimiga da criatividade produtiva.

Infelizmente, fica a conclusão de um velho: tempos que não voltam mais…