Dez horas da noite, o clima abafado me fez sentir a incômoda umidade do suor no exato momento em que eu atravessava os Arcos da Lapa, o velho Sucatão zunia seus pneus pelo asfalto do Centro. Entrei na Men de Sá e segui até um Pé-Sujo na esquina da Ubaldino Amaral, defronte a um boteco remodelado chamado Bar das Quengas. Em matéria de quengas, o bar só ficou com o nome, elas sumiram dali depois da invasão da juventude classe média e do novo visual que o bar implantou para atender o momento de modismo que assola a Lapa.

Preferi me acomodar num legítimo botequim do outro lado da rua e pedi uma Skol. A cerveja também veio suando, geladíssima. Não sei se o meu colega leitor já compartilhou da mesma sensação que constantemente me possui quando entro num Pé-Sujo. Sempre que eu paro para beber numa birosca, encontro uma atmosfera de camaradagem, uma confraternização de bêbados. É contagiante! Os botecos noturnos são templos onde quem entra não escapa de se converter à religião da boemia.

Bebo uma, bebo duas, bebo três…. Então ela chega, uma mulher que sempre me acompanha nas melhores noitadas: a felicidade artificial da cevada.

Entro no carro, ligo o rádio e está tocando “Amor meu grande amor, não chegue na hora marcada”…, era a voz da cantora e ex-musa Ângela Rô Rô.

Noite me envolvendo, Men de Sá como cenário e Ângela Rô Rô de trilha sonora, era a argila de uma nova história começando a tomar forma. A música misturada com a noite causa em mim o mesmo efeito de uma overdose de anfetamina, a adrenalina começa a bombar e eu tenho que buscar alguma ação. Ligo os motores do castigado Santana e sigo pegando a Rua do Riachuelo, dobro na Rua do Lavradio, prossigo pela Pedro I e lá está ela, decadente, mas dona de uma misteriosa majestade.

Largo do Rossio Grande, Campo dos Ciganos, Campo da Lampadosa, Campo do Pelé, Praça da Constituição etc. Todas essas designações foram a origem de um nome que equivalia ao sinônimo de Noite Boêmia: Praça Tiradentes. Há tempos eu não passava por ali e me detinha na sedução inexplicável que paira sobre toda aquela decadência. É impressionante!

O triste é ver a Praça cercada por aquelas horríveis grades verdes. Toda Praça cercada vira um tipo de gaiola vazia, as Praças nasceram para serem abertas, amplas e livres. Descobriram que podiam cercar Praças e acabaram com o sentido existencial delas. Fiz o Sucatão contornar todo o perímetro e estacionei próximo ao Teatro João Caetano. Desci do carro e pisei na calçada como se estivesse inaugurando um satélite distante, eu ainda estava sob o efeito mágico da cevada.

Não sei se eu estava muito inebriado, mas, bem próximo à esquina em que estacionei, vi uma garota parada com toda a pinta de quem fazia ponto no local. Usava shortinho e top, morena, cabelos cacheados pelos ombros, olhos verdes e uma sobrancelha estilo Ana Hickman. Bem bonitinha e com uma barriguinha que dava aquele leve toque de imperfeição que torna uma mulher verdadeiramente atraente.

Dois rapazes de terno aproximaram-se dela, conversaram por menos de dois minutos e se afastaram. Era uma garota de pista, eu estava convencido. Observei por mais algum tempo e engrenei a abordagem. Seu nome é Carla, é cearense, veio de Nova Russas e é muito bonita de rosto. O corpo é de uma menina que me contou ter parido dois filhos, não é um filezão, mas é gostosinha e de uma sensualidade que magnetiza, fora do comum. 

Fechamos o negócio e ela me sugeriu um Hotel próximo dali, poderíamos ir caminhando.  Levei um choque cultural quando me deparei com o quarto, um ambiente devastado, enfeitado com cortinas rasgadas e velhas que devem ser do tempo de Don Pedro II. Uma cama esquisita parecia alertar que não suportaria o meu peso. Mas o Libertino, algumas vezes, precisa ter espírito de um Correspondente de Guerra, nada pode temer, tudo por uma boa matéria. Entrei no moquiço.

Como eu disse, a Carla não serviria para ser dançarina do Caldeirão do Huck, mas seus 25 anos ainda nos oferecem um bom caldo. O boquete é bom, mete com competência e atende aos requisitos de uma transa rápida e eficiente. Você sai aliviado e não se arrepende. O detalhe que vale ressaltar é o rosto da menina, muito bonita mesmo, uma cearense com um rosto europeu e olhos faiscantes. Saí antes dela do Hotel e retornei caminhando em direção ao carro. O ar da rua estava quente. Liguei os motores e arranquei em velocidade. Tive vontade de cantar e cantei “amor meu grande amor, não chegue na hora marcada”… Coloquei o braço para fora da janela e deixei o vento morno me lembrar sobre a liberdade. Ninguém me esperava, a noite continuava sendo a minha companheira favorita e foi assim que me despedi da Praça Tiradentes.

(Foto Marcos Michael/VEJA)