TREVAS

Chovia fino, o vento gélido cortava os meus ouvidos como fantasmas sussurrando o passado de outras noites chuvosas e frias. Meus passos não estavam certos da direção a seguir, eu caminhava a esmo entre a av. Presidente Vargas e a Marechal Floriano, cruzando com indigentes e outros desorientados. O céu cinza e escuro estava baixo, querendo nos engolir na melancolia atemporal da cidade em decomposição. Não me intimidava, seguia firme, pisando com as minhas botas como um detetive de novela noir. Mergulhado em meditações inúteis, percebi que havia chegado a Rua Leandro Martins, decidi dar uma olhada no Clube 05.

Quando eu estava quase escalando o primeiro degrau do sobrado, alguém me pega pelo braço, me surpreendo com o gesto, giro o pescoço e vejo uma negra escultural encaixada em uma justiça roupa de ginástica, dessas muito colantes.

— Vem conhecer a casa em que trabalho — diz a negra bonita.

— Qual casa? — pergunto um pouco confuso.

— É ali mais na frente. Vem…

Eu fui, a menina me puxando pela mão e eu seguindo desconfiado. Ela aponta para um sobrado decrépito, mais para a metade da rua.

— É ali.

Acredite, forista sem fé, a sensação é de que eu estava prestes a entrar no castelo de Drácula e não foi por falta de ver morcegos dando rasantes sobre as poucas árvores que sobrevivem na região. Assim que fui alçar o primeiro degrau, vi uma mancha vermelha imensa na entrada, a garota percebeu o meu foco.

— Isso aí foi uma facada que deram em um cara há duas semanas, mas ele pediu. Vacilão.

Costumo me manter calmo e racional em situações que exalam perigo, procuro não recuar subitamente para não transmitir o medo que possa me tornar vulnerável. Fui subindo com a menina que disse se chamar Adriele. O prédio denunciava o próprio abandono a cada lance da escada, teias de aranha, um odor de mofo, creio que avistei até percevejos se arrastando pelas paredes. Alcanço um salão escuríssimo, um cheiro de erva tão forte que chegou a me tontear, me vi como o capitão Kirk desembarcando em um planeta hostil. A escuridão só me permitia identificar vultos, receei que fosse uma cilada, seres de desenhos arredondados cruzavam o espaço diante de mim.

— Fica à vontade. Se quiser ficar comigo me chama, mas pode ficar à vontade — Adriele tenta me confortar.

Impossível ficar relaxado naquele breu. De repente, sinto uma lata gelada encostando em meu braço.

— Taí a cerveja, patrão. Dez reais. Paga agora — uma voz nas trevas me cobrava pelo que não pedi.

Paguei, bebi e saí de fininho tentando encontrar a saída através do tato. Ficar dentro daquele ambiente quase me exigia um tanque de oxigênio, a atmosfera insalubre que misturava o mofo à maconha se fazia quase irrespirável. Quando ganhei novamente a rua quase gritei de alegria por ter sobrevivido. Retomei a ideia original de ir ao Clube 05.

CLUBE 05

Da porta às margens da calçada, o Clube 05 migrou para o alto de um sobrado, talvez seja tradição da área obrigar o cliente a praticar alpinismo. Subi ao topo do sobrado, alcancei a pista sem fôlego e transpirando 50% da água do meu velho corpo. Há algo interessante que ocorre ao atingirmos idades mais avançadas, a mente não envelhece e o corpo demonstra-se vingativo dessa juventude espiritual que não acompanha a sua decadência.

A geografia interna do 05 mudou, um imenso bar no centro do salão ocupa quase todo o espaço da boate, deixando disponíveis apenas os pequenos vãos do seu entorno. Uma gorda graúda passou a me encarar insistentemente assim que entrei, eu tentava não dar trela, circulei o bar, olhei as mulheres disponíveis, me deparei com um self-service de feijoada no meio do caminho, exposto a cuspes, moscas e outros bichos, sendo devorada vigorosamente por alguns sujeitos. A gorda me seguia com os olhos, sorria quando meu olhar cruzava com o dela, aquilo era mais assustador do que o castelo assombrado do qual eu havia escapado. Ao me ver acuado entre a feijoada e o banheiro, ela se aproxima.
— Dante? Tá lembrado de mim, não?

Busquei me recordar dos pesadelos que tive durante a minha vida de sono, mas nem neles encontrei uma mulher como aquela.

— Sou a Marina, trabalhei no 47 lá da Praça da Bandeira. Lembra?

Marina foi uma mulata descomunal que eu saí por quase um ano inteiro, trabalhava no extinto Clube 47, que ficava na Av. Maracanã. Conhecido pela alcunha de Clube da Rabada, abrigava mulheres que tinham o sexo anal como especialidade, Marina era uma delas. Olhei aquela mulher de grandes proporções e quase não consegui reconhecer as recordações da bela Marina ocultas sob aquele excesso de células adiposas.

— Oi, moça. Quanto tempo. Você está diferente.

— Engordei, né? — responde-me sorrindo.

— … — Preferi o silêncio a confirmar a tragédia.

— E como você tá? — me pergunta.

O papo se estendeu, relembramos os bons tempos, volta e meia ela virava espontaneamente a bunda para que eu avaliasse. Incrível, Marina estava enorme, mas a bunda continuava irretocável, linda, suculenta, coisa de capa de revista.

— E aí? Vamos matar saudade? — ela me provocou e virou a bunda novamente.

Sim, afeiçoado leitor, aquela bunda causou em mim um efeito hipnótico e me convenceu a relevar a carga pesada que a carregava.

— Ainda rola o anal? — perguntei.

— Claro. Para você, sempre rola.

ALCOVA

Não sei o que aconteceu com Marina nesses anos em que nos perdemos de vista, mas quando ela tirou a roupa exibiu uma barriga inchadíssima, algo fora do normal. Mudei o foco para não brochar diante daquela deformidade. Os seios e a bunda da mulher não foram afetados e foi neles que me concentrei. Marina se enroscou em mim com um ardor afobado, num golpe rápido, digno de sumô, me pôs deitado e veio por cima para cavalgar no meu tronco. O peso imenso esmagava a minha virilha. Quando ela arriava o corpo para me beijar, o mundo quase se apagava pela asfixia. Não perdi muito tempo, pois o tempo poderia representar o meu obituário prematuro, pedi que Marina ficasse de quatro, ela atende a minha vontade. A vista dela de quatro se mostrava mais saborosa, o rabo arrebitado, redondinho, ela se enxarca de KY e penetro naquele orifício que abrigou gerações penianas. O altar é o cu, preconizava o Marquês de Sade. Embalo nas estocadas, Marina geme baixinho, gozei com a ansiedade de quem escolhe terminar rápido com a história.

Conversamos mais um pouco, trocamos telefones que jamais serão contatados e nos despedimos. Saio da boate com a av. Marechal Floriano deserta e encoberta por penumbras, minhas botas não me deixam na mão e aceleram a velocidade, entro em um táxi parado num ponto da Uruguaiana. As luzes passam se refletindo no para-brisa como as horas que escorrem em uma ampulheta. O libertino vive.