Pereira pegou o telefone depois de ter realizado uma seleção rigorosa num site da Internet, deteve-se no seguinte chamado:

“Gata de verdade, rosto lindo, alto nível e completinha, pronta para realizar todas as suas fantasias. Morena, com lábios de veludo e cabelos cor de mel. Venha esquecer o estresse e relaxar comigo. Carol Chrysler – Cel: XXXXXX.”

Ele ligou.

– Alô? – Responde a voz de mulher.

– Bom dia! Gostaria de falar com a Carol Chrysler, acho que é assim que se pronuncia… – Desenrola Pereira.

– Quem deseja? – Responde a mulher.

– Pereira.

– Pereira?

– Positivo.

– Olá, Pereira! Sou a Carol e você pronunciou direitinho, parabéns! – A garota responde com uma risadinha.

– Obrigado, Carol. É que esses nomes estão ficando cada vez mais complicados.

– É pela pronúncia do meu nome que percebo o nível de quem me procura.

– Muito bem, o teste é inteligente e ainda bem que fui aprovado.

– Por enquanto, você foi aprovado sim.

– Vi seu anúncio no www.mulher.facil.come e fiquei muito interessado. Como é o esquema, Carol?

– Esquema?!

– É… Como é o esquema? Quanto fica o programa?

– Quanto fica? Programa? Como assim?

– Ué?! Você não é a Carol que anuncia no site mulher.fácil como garota de programa?

– Sou a Carol, mas não sou garota de programa, sou Acompanhante – A-com-pa-nhan-te – Ok?

– Ahan… Estou entendendo. E quanto você cobra pra me acompanhar até um Motel?

– Quanto eu cobro?

– Isso! Seu cachê, gata! Quanto é seu cachê? – Pereira já demonstrava alguma impaciência nesta altura da conversa.

– Não cobro cachê. – Responde fria.

– Não?! É de graça?

– Você me dá um “presentinho” que deve ser em dinheiro, algo em torno de R$ 250,00.

– Presentinho?

– Sim…

– Em dinheiro?

– Sim…

– Entendi. E quanto tempo?

– Quanto tempo?!

– É! Quanto tempo você fica comigo? – Pereira começava a se exasperar.

– Não tem tempo, Anjo!… Deixo você relaxado, gosto de curtir… Não sou igual às outras, Amor…

– Posso ficar o tempo que eu quiser?

– Até duas horas, você pode ficar o tempo que quiser…

– Então são R$ 250,00 por duas horas?

– Claro que não, Anjo… Não pense em tempo ou valor, pense no prazer…

– Claro, claro! O prazer…

– Você não irá se arrepender!

– Acredito – Você faz anal?

– Você gosta, Anjo?

– Adoro.

– Faço. Depende da dotação.

– Preciso passar as medidas antes de encontrá-la? – Ironiza Pereira.

– Não! – Ri a menina – Na hora a gente vê.

– Mas queria saber antes de marcar…

– Anjo, tenho que ver. Vai que você é um cavalo e me arrebenta toda?

– Sou normal. E se você olhar e disser que não vai dar?

– Você nem vai sentir falta, Amor. Aliás, ali foi feito pra sair, não para entrar.

– Então você não faz anal?

– Faço.

– Mas diz que depende!

– Depende da dotação.

– Tá bom, tá bom! – Pereira joga a toalha – Você beija na boca?

– Se for cheirosinha…

– Cheirosinha?! Não há nada errado com a minha boca.

– Chupa uma balinha antes, leva uma Halls preta.

– Balinha?! Não gosto de chupar balas. – Irrita-se Pereira.

– Ahh, leva, Anjo. A boquinha fica mais gostosa com balinha.

– Sei… – Você faz oral? Vai até o final?

– Ele é limpinho?

– Gosto de banho, sou limpo.

– Lava ele direitinho?

– Claro que lavo!

– Descupe-me, Anjo… Eu pergunto isso porque sou muito higiênica. Lavo minha florzinha com Dermacyd, passo perfuminho…

– Mas faz o oral completo?

– Eu faço sim, mas com camisinha tá, Anjo!

– Camisinha?! Mesmo ele sendo limpinho? Esfrego com bombril se você quiser.

– Não estou pensando só em mim, Amor. É segurança pra você também.

– Ok, ok!… – Onde você fica?

– Copacabana.

– Posso marcar pra pegá-la?

– Tem que se hospedar num hotel, me ligar e nos encontramos lá.

– Não posso pegá-la? Não gosto de entrar sozinho em motéis.

– Ai, Anjo! Vá para o hotel, me ligue e eu chegarei rapidinho, bem linda pra você. Quero você!…

– Pode ir com uma calcinha fio dental? – Pereira revela sua tara.

– Não uso calcinhas pequenas, Amor, dá hemorróidas. Mas vou com uma calcinha da Piu-Piu que você não vai se arrepender…

– Então está marcado, às 15 horas no Serrano. Ligo pra você de lá.

– Ok, Anjo!

– Vai bem gostosa e tente não se atrasar.

– Com certeza, Amor. Você não vai se arrepender!…

Pereira era um empreendedor, um homem que se entusiasmava com desafios e todos aqueles pré-requisitos para alcançar um instante de deleite o haviam deixado excitadíssimo. Ele marcou e foi.

Depois de quarenta minutos aguardando dentro de um quarto do Hotel Serrano, somados às inúmeras tentativas frustradas de contatar a Carol num celular que insistia em responder com a Caixa Postal, Pereira desistiu e se arrependeu.

Voltou para casa…

Quando entrou em seu quarto, encontrou a esposa deitada e entubada num baby-doll surrado, presente de um Dia dos Namorados de cinco anos atrás. Pereira sentiu um tesão avassalador, inexplicável.

Aquela seria a noite mais quente na vida sexual do casal Pereira.