Quando dirijo meu fusca pelas vias noturnas evacuadas por um vírus, tenho um sentimento de irrealidade. É como se eu estivesse dentro de uma ficção científica, um remake de Blade Runner. Tudo é silêncio. Para onde estou indo? Em busca de um corpo quente que me abrigue por algum tempo, que me console da solidão inevitável. Herbie, meu fusquinha, desliza valente pelas sombras da cidade. Cavalgamos juntos, como Dom Quixote e Rocinante, em nossa busca pela Dulcineia de Toboso.

Enquanto o dia é a revelação de tudo, a noite é o segredo de todos os pecadores. Eu e Herbie estávamos sem direção. Só me vinha a mente os mesmos lugares, lugares dos quais eu já estou cansado de pisar. Lembrei-me de uma aventura antiga, quando conheci Gisa às margens da rua Monsenhor Manuel Gomes, onde fica o Cemitério do Caju (http://www.gparena.net/td-show.php?t=166). Rumei para a av. Brasil.

Quando desço do viaduto que margeia o porto e desemboca na Av. Brasil, o trânsito era inexpressivo e os ponteiros do meu relógio beiravam a madrugada. Viro à direita na rua do cemitério, mas não vejo nada. Nenhum movimento de meninas como encontrei há poucos anos. Um vácuo urbano. Não sei se algum companheiro forista percebeu, mas existe uma intensidade indescritível no entorno de uma necrópole. É a cidade dos desencarnados, dos esquecidos. O silêncio é diferente, é um silêncio que sussurra. Diferentes épocas e histórias enterradas sob a mesma terra. Cemitérios me incomodam devido a essa energia intraduzível. Não encontrei Gisa nem qualquer outra mulher. Dei meia volta e abandonei os arredores do campo-santo.

Seguimos pela Av. Brasil, eu e Herbie. Um trajeto longo em direção à Zona Oeste. O rádio ligado e transmitindo estática até que eu colocasse um CD. A música inesperada transbordou das caixas de som: Pavarotti em dupla com James Brown cantando “It’s a man’s world”.

A noite sem música é mulher mutilada. Incrível como aquele som transformou a paisagem. Apertei o acelerador, Herbie respondeu com um grito de guerra e marchou como um destemido soldado na linha de frente de uma batalha decisiva. Chegando a Padre Miguel, passamos pela enigmática Cancela Preta e nos enveredamos por uma trilha. No passado vivi ali uma pequena aventura que ficou registrada (http://www.gparena.net/td-show.php?t=1859).

Onde antes foi possível peneirar algum achado feminino, hoje só me deparei com travestis. Nada contra, mas não são a minha preferência. Frustrado, decidi fazer o retorno para o sentido Centro.

O CD continuava embalando Herbie com Amy Winehouse – Back To Black

Ninguém se sente completamente sozinho na madrugada, a própria noite é uma companhia que nos fascina. Eu e Herbie balançávamos o corpo ao ritmo da música. Não entregamos os pontos. Como a nave Enterprise, estávamos determinados a ir aonde nenhum homem jamais esteve. Quando nos aproximávamos da altura do Parque União, lembrei-me de um taxista que me disse ter visto um ponto de mariposas atrás do Motel Stop Time. Não hesitei, dobrei a direita na rua Teixeira de Castro e peguei uma rua chamada “Regeneração”, acho que entrei pelo sentido contrário do fluxo, mas era tarde, não enfrentei problemas.

Na rua Teixeira de Castro também avistei muitos travestis, pois o mundo é gay. Quando entrei na rua da Regeneração é que pude ver, finalmente, algumas mulheres degeneradas à porta de um bar, todas com copo na mão e saias quase acima da bunda. Fiz a primeira ronda de reconhecimento, pois estava em um território estranho para os meus alfarrábios geográficos. Fui e voltei umas três vezes até que avistei uma coxuda que me interessou. Hesitei em abordar porque estava em grupo e eu não tinha certeza se poderia ser uma profissional do sexo. Manobrei o fusca para dar uma rasante pelo grupo das meninas, a coxuda me encarou e deu tchauzinho. Foi a senha necessária. Parei.

— Oi, gato?

— E aí? Como faço pra ficar com você? — Prefiro ir direto ao assunto.

— Facinho. Cinquenta o boquete e oitenta o programa.

— Você vai aqui no Stop Time?

— Com certeza, gato.

Sei que alguns dos meus relatos podem parecer insólitos, afinal são poucos os que se arriscam fora dos trâmites tradicionais. Mas a vida sem riscos não é vida, é licença maternidade. Aprecio os riscos, eles me excitam. Não posso dizer a você, afeiçoado forista, que não enfrentei momentos de forte tensão por conta dos meus impulsos, mas tento ser prudente e estar preparado para os imprevistos. São ossos do ofício.

— Esta tua saia tá parecendo um fio dental — ousei expressar a piada sem graça.

Neste ponto, a menina soltou uma gargalhada aguda que quase rachou o para-brisa do carro e deve ter sido ouvida na Rodoviária Novo Rio. Aquela gargalhada sônica cortou um pouco a minha libido, mas o negócio estava fechado. Ela entrou no fusquinha e partimos para o Stop Time. A recepcionista do motel mostrou conhecer a garota, deu um sorrisinho sacana e soltou a frase:

— Vou querer comissão, heim?

A minha acompanhante novamente expeliu a gargalhada sônica, que agora deve ter sido ouvida na Ilha do Governador. Meu tesão foi pro saco depois das duas gargalhadas estridentes, mas precisei prosseguir. Peguei uma suíte simples desejando que fosse no térreo para que eu pudesse sonhar em escapar pela janela. Não dei sorte.

Dentro do quarto, a menina rapidamente tira a roupa e constatei que sua única virtude eram as coxas grossas, o resto do corpo estava mais para uma casa em ruínas. Confirmei a minha precipitação. Ela parte para cima de mim, mas não me beija, mete a mão na minha calça como quem fosse me estuprar. Eu me afastei um pouco e fui tirando a minha roupa. Quando abaixo a cueca, a menina grita.

— Ai, que fofo! Seu piru é pequeno e gordinho.

Acredite, forista sem fé. Isso nunca aconteceu comigo. Meu combalido pênis talvez nunca se recupere do trauma dessas adjetivações. A garota aponta para a cama me orientando a deitar. Obedeço na tentativa exasperada de abreviar tudo aquilo. A menina dá uma pigarreada e cai de boca. Boquete burocrático, desses que você compra em cartório. Concluí que eu não conseguiria gozar nunca. Foi quando ela tirou a boca do meu pau e ousou falar novamente.

— Ai, Nem. Muito fofinho seu piru, parece um bichinho de pelúcia — não satisfeita, gargalhou outra vez.

Meu frágil pênis estremeceu diante daquelas ondas acústicas implacáveis. Fingi que estava recebendo uma mensagem no WhatsApp e aleguei que precisava ir embora.

— Não vai gozar? — ela pergunta.

Respondi que ficava para outro dia, mas que gostei muito dela. Paguei o cachê, acertei com o motel e a deixei no mesmo ponto onde a conheci.

— Vê se volta, heim gostoso. Quero ver meu bichinho de pelúcia de novo — gargalhou.

Partimos, eu e Herbie, com receio de que aquele som histriônico pudesse nos ejetar do asfalto. O CD tocava Shape of You

Imaginei ver os primeiros raios da manhã, hora em que os notívagos se recolhem. Não duvide, estimado forista, à noite tudo é possível.