**O Libertino não é um romântico, mas é um idealista. Encontrei este antigo texto perdido nos arquivos do meu computador, escrito quando aconteceu a reinauguração da 65, em 2018.

SOBRE PAIXÕES NOTURNAS

Ser um grande companheiro não significa que, necessariamente, você encontrará uma grande parceira.

Hoje, os incultos tratam a palavra como um acessório que deve ter a objetividade dos jegues, um punhado de sílabas de compreensão fácil que diga o que deseja sem cansar os olhos do outro. Acontece, que não escrevo para mentes obtusas, escrevo para cérebros dignos de alguma inteligência. A palavra sempre foi minha melhor e mais fiel parceira. Esta semana, tive uma magnífica surpresa quando uma moça delicada se aproximou de mim na sala de convivência da boate 65 e me perguntou se eu era o Dante, este meu famigerado alterego; quando afirmei que sim, ela me contou ler meus textos, gostar de tudo e admirar o que faço. Sim, a vaidade num artista é inevitável, mas é uma vaidade de compartilhar a própria arte, diferente da vaidade que se admira somente no próprio espelho. O nome da menina é Talita e ela conseguiu algo que é muito raro atualmente, me surpreendeu de forma bonita e generosa, me restaurou a vontade de escrever após dias emoções conturbadas. Portanto, este texto longo e pretensamente filosófico é uma homenagem à inteligência e à sensibilidade de Talita, a grande dama de um dos meus mais queridos amigos, que quando escolhe certo, acerta para valer.

Toulouse-Lautrec foi um pintor francês que descreveu o Moulin Rouge numa tela branca com pincel e tinta, deixou para os nossos olhos as noites vivas de celebração entre homens e dançarinas do mais famoso cabaré do século 19. No meu caso, muito mais modesto, há tempos que pinto as desventuras mundanas do Rio de Janeiro, apenas juntando palavras, desenhando com letras a vida sob as estrelas.

Dizer que libertinos não amam é um erro. Libertinos amam demais, amam existir, amam amar. Porém, amam errado. A maioria das mulheres da noite são como gatos e gatos não se apegam às pessoas, se apegam à conveniência. Existem exceções e são as exceções que um libertino busca. Sou um solteirão de meia idade, não tive filhos. Sou como a puta velha da zona, que mesmo conhecendo todos os descaminhos de sua escolha, insiste em ser romântica, em acreditar em príncipes. Eu acredito em princesas. É essa a natureza do libertino, não há opção, ele navega num mar noturno, escuro, em busca de um farol. Naufraga muitas vezes, sobrevive e volta a navegar.

Acreditem, existe uma diferença crucial entre o libertino e o promíscuo. O libertino é leal aos amigos, à mulher que ama e à sua procura utópica pelo companheirismo. O promíscuo só é leal a si mesmo e não compreende as grandes paixões. O libertino venera a mulher, o promíscuo usa a mulher.

— Se o libertino é tão careta, por que o chamam de libertino? — perguntaria um leitor atento.

O libertino é libertino porque se vê obrigado a navegar em busca de um porto. Nessa viagem, ancora em muitos bancos de areia que parecem portos seguros, mas que logo se desfazem, engolidos pelas águas salinas. O libertino é aquele que quer doar seu maior patrimônio, a sua infinita liberdade, a uma grande paixão. Assim, encontraria o seu maior desprendimento, o seu maior ato libertário. A maior virtude do libertino é ter fé num mundo de descrentes. É um Don Quixote cavalgando ao encontro de uma improvável Dulcineia.

Há poucas semanas uma doce amiga me apresentou a uma princesa, dessas que parecem ter saído de um livro de conto de fadas. Bela, carismática e charmosa, encontrei-a na noite, onde se achou e se perdeu. Você está certo, afeiçoado leitor, foi paixão à primeira vista, mas o primeiro olhar não revela tudo. Aos poucos, fui percebendo que uma fina camada de gelo cobria seu coração, como se fosse o encantamento de alguma bruxa malvada da mesma história de fadas. Então, como um bom libertino, meu espírito de Don Quixote se reacendeu, a vontade de quebrar aquele encantamento, de romper a barreira de gelo, se tornou uma missão. Minha maior virtude é ser companheiro leal até o último suspiro. Sou um libertino que pensa ter encontrado um porto e a esperança é que ele não se desfaça como um frágil banco de areia e me lance de novo à escuridão do mar.